Dicas de Saúde - Tabagismo e Nutrição

Dicas de Saúde - Tabagismo e Nutrição

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 2 bilhões de pessoas sejam fumantes, 47% de toda população masculina e 12% da população feminina mundial.  No Brasil, segundo a pesquisa Vigitel 2013, o número de fumantes reduziu em 28% desde 2006. O tabaco é responsável por importantes alterações metabólicas, entre as quais modificações nas concentrações de colesterol plasmático (aumenta o LDL – colesterol ruim), na saúde óssea e no peso corporal.

Estudos mostram que a menopausa é mais precoce em mulheres fumantes do que em não fumantes. Por sua vez, as mulheres menopausadas apresentam uma redução dos níveis de estrógeno, coincidindo com a redução da absorção de cálcio pelo intestino, aumentando o risco de osteoporose e osteopenia.

Em relação aos níveis plasmáticos de colesterol, ex-fumantes apresentam uma elevação do HDL – colesterol e redução do LDL- colesterol quando comparados aos fumantes. Reduzindo os riscos de eventos cardíacos.

Há uma relação inversa entre cigarro e peso corporal, isto é, o índice de massa corporal (IMC) tende a ser menor em fumantes quando comparados aos não fumantes. Isto ocorre devido à ação central da nicotina que reduz o apetite e por alterações no paladar e olfato. Observa-se que 1 em cada 10 fumantes pode ganhar em média de 3 a 4 kg, nos primeiros 6 meses, após a interrupção do hábito de fumar. Porém esse dado, não deve ser usado de forma alguma, como justificativa para perpetuar o hábito, principalmente entre as mulheres. Estudos evidenciam que com a prática de atividade física e controle do hábito alimentar, o ganho de peso pode ser evitado nessa fase.

O impacto do tabaco no organismo dos fumantes e ex-fumantes pode ser amenizado, através de uma alimentação equilibrada com o aumento do consumo de alimentos fontes de beta caroteno, ácido fólico, vitamina C, E, licopeno além do cálcio. Também é necessário reduzir a ingestão de bebida alcoólica e gordura saturada (carne vermelha, queijos amarelos, bacon, lingüiça, frios, embutidos entre outros)

A cessação do tabagismo leva a uma redução significativa da morbidade e mortalidade, reduzindo o risco de doenças cardiovasculares e neoplásicas em curto e médio prazo.

Para quem está tentando parar de fumar, vale a dica! Não substitua o cigarro por alimentos como balas, salgadinhos. Tente escovar os dentes sempre que acabar a refeição. Não exagere no consumo de sal e aumente a ingestão de água.

DICAS:

  1. Reduza o café preto e a bebida alcoólica também. Eles são potentes estimuladores do desejo de fumar.
  2. Não confunda vontade de fumar com fome. Talvez você sinta saudade do gesto de levar o cigarro até a boca. Portanto não coma! Beba água devagar e opte por uma balinha diet ou escove os dentes.
  3.  Com a ausência da nicotina o paladar e olfato ficam mais sensíveis. Os alimentos ganham novos sabores. Mas cuidado, não exagere! Fracione a sua alimentação ao longo do dia. E acrescente alimentos com baixo teor de calorias como iogurtes desnatados, barras de cereais, frutas in natura, frutas secas entre as principais refeições.
  4. Pratique atividade física. Além de controlar o peso, também reduzirá o desejo de fumar.
  5. Nesse momento, reponha os nutrientes perdidos. Aumente o consumo de frutas cítricas e vegetais alaranjados; fonte de vitamina C e beta-caroteno e evite alimentos ricos em gordura como carne vermelha gorda, frituras, queijos amarelos.

Referências:

  1. www.who.com
  2. www.inca.gov.br
  3. Breitling LP. Smoking as an Effect Modifier of the Association of Calcium Intake With Bone Mineral Density. J Clin Endocrinol Metab. 2014

 

Dra. Patricia Cruz (Nutricionista)

CRN 3 8747

Voltar à vista geral