A importância da avaliação da composição corporal

A importância da avaliação da composição corporal

A análise da composição corporal vem evoluindo a cada ano. Os primeiros métodos eram feitos através da dissecção de cadáveres. Atualmente varias técnicas foram elaboradas e está cada vez mais fácil de fazer de forma rápida, eficaz e indolor.

É realizada com o objetico de quantificar os principais componentes do organismo: gordura corporal, massa isenta de gordura (água, osso e músculos). É de suma importância para prescrição da dieta e atividade física. Alem de identificar possíveis riscos a saúde.

O índice de massa corporal (IMC) é o método mais conhecido e rápido para avaliar a composição corporal populacional. Porém individualmente esse método apresenta falhas. Porque considera o peso corporal como todo, sem compartimentá-lo. Vamos exemplificar para deixar mais claro.

Neste caso ambos apresentam IMC acima do ideal, os classificando como obesos grau I. Porém ao fazer uma análise da composição corporal, podemos observar que o excesso de peso do homem 1 está relacionado à massa magra e não ao tecido adiposo (gordura).  Já o homem 2 apresenta excesso de tecido adiposo com risco para saúde.

Outro ponto importante é entendermos ganho e redução de peso. Pois bem, dizemos que um indivíduo ganhou peso. Quando de fato ocorreu ganho de tecido adiposo (maior número de células de gordura) e que houve redução ponderal ao verificar menor percentual de tecido adiposo através da avaliação corporal.

Contudo, podemos afirmar que nem sempre a perda de peso esta relacionada à redução de tecido adiposo. Em dietas restritivas para redução de peso, sem orientação adequada, é muito comum ocorrer diminuição da massa magra maior que do tecido adiposo.  Conseqüentemente os riscos cardiometabólicos permanecem.

O conhecimento da composição corporal pode ampliar o sucesso do tratamento seja para redução de peso ou ganho de massa magra. Uma vez que podemos observar alterações metabólicas precisas e dessa forma, planejar orientações nutricionais mais objetivas.

Dra. Patricia Cruz (Nutricionista)

CRN 38747


Referências:

Guedes,  DP. Revista  Brasileira de Educação Física e Esporte

Rezende, F. Archivos Latinoamericanos de Nutrición

Monteiro R.  Revista Nutrição

Voltar à vista geral